Estudo do DNA dá dicas de como viver mais

Por outubro 17, 2017Blog ‘Chromosome News’
Todo ano dedicado à educação adiciona 11 meses, em média, à vida útil das pessoas, dizem cientistas

    Todo ano dedicado à educação adiciona 11 meses, em média, à vida útil das pessoas, dizem cientistas

Os pesquisadores dizem que uma pessoa perde dois meses de vida para cada quilo de sobrepeso que carregam – e sete anos por fumar um maço de cigarros ao dia.

A equipe de cientistas da Universidade de Edimburgo (Escócia) encontrou suas respostas, analisando as diferenças no código genético das pessoas. Em última análise, eles acham que vão revelar novas formas de nos ajudar a viver mais tempo.

O grupo de pesquisadores utilizou o código genético de mais de 600 mil pessoas que fizeram parte de um largo experimento natural.

Foto Clara

Se alguém fuma, bebe, abandona a escola e tem excesso de peso, pode ser difícil identificar o impacto de um comportamento insalubre específico. Portanto, os pesquisadores voltaram-se para o experimento natural.

Algumas pessoas carregam mutações em seu DNA que aumentam o apetite ou as tornam mais propensas a ganhar peso, então os pesquisadores conseguiram comparar aqueles programados para comer mais com aqueles que não o são – independentemente de seus estilos de vida.

O Dr, Peter Joshi, do Instituto Usher, disse: “As análises não foram prejudicadas. Você pode observar diretamente o efeito do peso, isoladamente, sobre a vida útil das pessoas”.

Conjuntos similares de mutações foram ligados à quantidade de tempo que as pessoas gastam na educação e ao prazer que têm de fumar ou beber.

As instruções para a vida estão codificadas no seu DNA

  As instruções para a vida estão codificadas no seu DNA

A equipe de pesquisa também encontrou mutações específicas no DNA humano que alteram o tempo de vida útil, em artigo publicado na revista Nature Communications.

  • Mutações em um gene (um conjunto de instruções no DNA) envolvidas no desempenho do sistema imunológico podem adicionar em média sete meses de vida
  • Pessoas com uma mutação que aumenta os níveis de colesterol ruim nocautearam oito meses na sua expectativa de vida
  • Uma mutação rara no gene – APOE – ligada à demência reduziu a expectativa de vida em 11 meses
  • E a mutação que predispõe ao hábito de fumar em demasia cortou cinco meses da vida útil das pessoas

Dr. Joshi diz que estas variações genéticas são a ‘ponta do iceberg’. Ele diz que 20% das variações que ocorrem durante a vida podem ser herdadas, mas apenas 1% dessas mutações foram encontradas até agora.

No entanto, diz Joshi, a sua influência – as escolhas que você faz – sobre a sua vida útil ainda é maior do que a genética. “Esperamos descobrir novos genes que afetem a vida útil para nos dar novas informações sobre envelhecimento e desenvolver intervenções terapêuticas para controlar os males do envelhecer”.

Existem também algumas mutações que claramente afetam a expectativa de vida e tem um efeito devastador, como o gene da doença de Huntington. As pessoas com Huntington morrem em seus 20 anos.

No entanto, para seguir as pessoas até o final de suas vidas, o estudo selecionou indivíduos que nasceram antes de 1940. O Prof David Melzer, da Faculdade de Medicina da Universidade de Exeter, disse: “Um ano extra de educação pode ter sido muito mais importante do que é agora”.

James Gallagher – Repórter de Saúde e Ciência da BBC

Leia mais:  NATURE COMMUNICATIONS – “Genome-wide meta-analysis associates HLA-DQA1/DRB1 and LPA and lifestyle factors with human longevity”

 

Digite um comentário