Pode ser realizado a partir da décima semana de gravidez, com uma amostra de sangue materno. Com fragmentos de DNA do feto, presentes no sangue da mãe, é possível comprovar ou não a paternidade – com 99,9% de precisão.